Frustração

"Aquilo que não me mata me fortalecerá", disse Nietzsche. De fato, com essas palavras, ele descreveu o mecanismo da frustração. Os psicólogos tendem a concordar com o grande filósofo alemão: emoções negativas que experimentamos são um pré-requisito para o desenvolvimento e crescimento da personalidade.

Um dos mais famosos pesquisadores de frustração foi o psicólogo americano Saul Rozentsveig (Saul Rosenzweig, 1907-2004). Ele definiu isso como a resposta do corpo a obstáculos intransponíveis à satisfação de qualquer necessidade vital. No entanto, muitos de seus contemporâneos não perderam a chance de corrigir o mestre: isso não é apenas “alguma reação”, mas uma reação expressa em emoções negativas (raiva, ansiedade, pânico, inveja, culpa, etc.).

Como regra geral, quanto mais forte o motivo, mais brilhante fica a frustração quando é impossível alcançar o objetivo. Por exemplo, se estamos atrasados ​​para o trabalho ou uma data, então, presos em um engarrafamento, sentimos irritação e raiva. Os mesmos sentimentos nos dominam quando ouvimos a notícia de que o banco, onde todas as nossas economias estavam se acumulando, faliu. No entanto, é óbvio que o grau de indignação no segundo caso é muito maior.

Fatores que nos impedem de atingir metas e provocar frustração podem ser externos e internos. Os externos são principalmente pessoas que não atendem às expectativas, por exemplo, o marido, que não fez carreira profissional, ou uma filha que, após dez anos de trabalho, abandonou o piano. Assim como eventos, por exemplo, um vôo atrasado, um feriado danificado pelo mau tempo, um engarrafamento já mencionado, ou uma força maior do banco. Fatores internos incluem medo, limitações físicas, normas sociais, inibições e assim por diante.

A principal característica da frustração é que é sempre uma reação a uma situação que já aconteceu, que não pode ser modificada no momento. Um exemplo simples: tendo saído do hábito para a loja e não encontrar um iogurte favorito lá, uma pessoa experimenta um flash de frustração e aborrecimento por um curto período de tempo. Por via de regra, um pouco depois, as emoções negativas desaparecem, dando lugar a soluções alternativas - ir a outra loja, ir ao iogurte amanhã ou durante uma semana, "transferir" ao queijo de casa de campo.

Em cada caso, a frustração ocorre de maneira diferente. Alguns podem demorar alguns minutos para superá-lo, outros podem levar vários anos (embora neste caso o problema seja geralmente muito mais sério do que a ausência de seu iogurte favorito no supermercado ou uma briga com seu cônjuge). Em última análise, a rapidez com que uma pessoa supera a frustração depende de seu tipo psico, habilidades adaptativas, otimismo e fé em sua própria força.

Os especialistas modernos tendem a encarar a frustração de maneira positiva - como sinônimo de uma psicológica leve, que dá o motivo para fazer mudanças na existência. É impossível evitar completamente experiências desagradáveis, a vida é sempre generosa com situações que nos causam ofensa, raiva ou ataques de agressão. Mas a força de cada pessoa para aumentar sua imunidade à negatividade. Para isso, psicólogos, treinadores e autores de livros no estilo de “ajudar a si mesmos” nos ensinam a reconhecer sinais de frustração, a abstrair-se dela, e também a desenvolver habilidades de comunicação e melhorar como uma medida preventiva. Assim, uma pessoa pode construir uma armadura psicológica bastante poderosa, que ajudará não apenas a reviver situações negativas, mas também a encontrar rapidamente soluções alternativas para o problema. Então, de acordo com Nietzsche, para se tornar mais forte.